Governo divulga plano contra aquecimento global, mas evita metas

quinta-feira, 25 de setembro de 2008 18:37 BRT
 

BRASÍLIA, 25 de setembro (Reuters) - O governo brasileiro divulgou na quinta-feira um plano nacional de combate às mudanças climáticas, mas evitou se comprometer com metas para a redução de emissões de gases que provocam o efeito estufa.

O programa, que reúne iniciativas de diversos ministérios, será colocado em consulta pública durante outubro. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinará o texto definitivo em até quatro meses.

"São objetivos setoriais voluntários", declarou a jornalistas o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, para quem a resistência do Itamaraty em adotar compromissos a fim de evitar o enfraquecimento do país nas negociações internacionais sobre o tema impediu a inclusão de metas no documento.

"O plano tem objetivos. Um plano sem objetivos é um saco vazio", ponderou o Minc, quando perguntado sobre a capacidade do governo em garantir a eficácia do programa.

O Protocolo de Kyoto só estabelece metas para os países desenvolvidos, mas a Organização das Nações Unidas (ONU) recomendou aos países em desenvolvimento a diminuição de 20 por cento das emissões até 2050.

Atualmente, o destamatamento representa cerca de 80 por cento do total das emissões brasileiras. O Plano de Nacional de Mudança Climática busca atacar esse problema.

O governo quer reduzir o desmatamento ilegal e aumentar a área de florestas plantadas de 5,5 milhões de hectares para 11 milhões de hectares. Desse total, 2 milhões de hectares devem ser de espécie nativa. O restante será de florestas para uso comercial.

Assim, destacou o ministro do Meio Ambiente, o Brasil eliminará a perda líquida das áreas com cobertura florestal até 2015.

"Seremos credores em termos de emissão", complementou.   Continuação...