Histórico da negociação entre Merrill e Wachovia gera polêmica

sexta-feira, 26 de outubro de 2007 10:47 BRST
 

NOVA YORK, 26 de outubro (Reuters) - O presidente-executivo do Merrill Lynch, Stan O'Neal, abordou a idéia de fundir a instituição com o Wachovia Corp WB.N antes mesmo conseguir a aprovação do conselho de administração, informou o New York Times. A iniciativa irritou tanto alguns diretores que eles consideraram a substituição do executivo, publicou o jornal nesta sexta-feira.

Citando fontes, o diário informou que a reação do conselho indica que uma fusão "não é provável agora".

O contato com o Wachovia, quarto maior banco dos EUA, que aconteceu antes do Merrill divulgar esta semana baixas contábeis de 7,9 bilhões de dólares no terceiro trimestre relacionadas a investimentos em colaterais de dívidas, foi considerado "uma grave quebra do protocolo corporativo", publicou o jornal.

Representantes do Merrill e do Wachovia não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.

O jornal informou que o executivo telefonou para G.Kennedy Thompson, presidente do conselho e presidente-executivo do Wachovia, dias antes da reunião da administração do Merrill, ocorrida domingo passado.

Thompson mostrou interesse em "ter uma conversa", segundo publicou o jornal, mas reconheceu dificuldades em uma combinação das instituições.

Assumindo que passasse pelo crivo de autoridades regulatórias, seria a fusão de duas das maiores corretoras do mundo: o Wachovia administra cerca de 800 bilhões de dólares em ativos e tem 11.400 representantes em 786 escritórios nos EUA, e o Merrill gerencia 1,7 trilhão de dólares.