PANORAMA1-Em dia fraco, cautela deve predominar nos mercados

sexta-feira, 26 de outubro de 2007 08:14 BRST
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO, 26 de outubro (Reuters) - Os mercados domésticos encerram a semana no mesmo tom de seu início: cautela com o futuro da economia dos Estados Unidos e atenção extrema a todo resultado corporativo ou dado econômico que possa trazer alguma luz sobre o impacto e a extensão da crise imobiliária. E as expectativas não são muito boas.

A agenda é fraca, aqui dentro e lá fora, mas dois relatórios receberão leituras ávidas dos investiores: o balanço da Countrywide Financial CFC.N referente ao terceiro trimestre e a confiança do consumidor norte-americano em outubro.

Analistas esperam que a maior concessora de hipotecas dos Estados Unidos divulgue um forte prejuízo --entre 700 milhões e 1,8 bilhão de dólares. A expectativa para o dado de confiança é de queda para 82,0 pontos.

"Como não tem dados que sejam dos mais relevantes, o investidor fica mais nos desdobramentos da crise imobiliária", disse Flávio Serrano, economista-chefe da López León Markets.

"E aí, qualquer empresa que mostre resultados ruins no terceiro trimestre vai remeter à crise, que começou no terceiro trimestre. O mesmo acontece com os dados (econômicos) do período."

Nesta semana, muitos resultados corporativos decepcionaram os investidores, assim como muitos indicadores sobre a economia, o que levou a especulações de um corte na taxa de redesconto pelo Federal Reserve.

Somando-se a esse cenário delicado, o investidor brasileiro tem mais uma coisa para olhar. O petróleo, um dos itens citados pelo Comitê de Política Monetária (Copom) como motivo de cautela, bateu novos recordes na véspera. Em Nova York, a commodity rompeu novamente a marca dos 90 dólares o barril.

"Preocupa, mas o BC já disse que mesmo o petróleo estando alto, é bem plausível que os preços (dos combustíveis domésticos) fiquem estáveis", acrescentou Serrano.   Continuação...