Nova Bolsa prevê aval de acionistas em abril; ações sobem

quarta-feira, 26 de março de 2008 14:04 BRT
 

Por Daniela Machado

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa e a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) esperam receber até o final de abril a benção de seus acionistas para a integração que criará a terceira maior bolsa do mundo em valor de mercado.

A companhia, batizada provisoriamente de Nova Bolsa, será dividida igualmente entre as duas instituições originais. Para viabilizar essa "união de iguais", os acionistas da Bolsa de Valores de São Paulo receberão 1,24 bilhão de reais da BM&F --o que representa bonificação de 1,76 real por ação .

"Nós participaremos efetivamente como grande player global, é uma nova visão geopolítica", afirmou Raymundo Magliano, presidente da Bovespa.

Na véspera, as instituições anunciaram a aprovação da integração pelos conselhos de administração. Além do aval dos acionistas, o acordo precisa ser validado pelos órgãos reguladores do mercado e da concorrência.

A estimativa preliminar é de que a reorganização societária poderá, até 2010, gerar uma economia de até 25 por cento nas despesas operacionais anuais --que hoje são de 250 milhões de reais para cada bolsa.

"O que vamos economizar é na infra-estrutura. Essas sinergias serão obtidas principalmente em tecnologia", disse o diretor-geral da Bovespa, Gilberto Mifano.

Entre analistas, a avaliação do negócio é positiva e vista como um fator que pode dar força para o Brasil liderar um processo de consolidação das bolsas na região.

As ações das duas bolsas decolaram mais de 10 por cento no início do pregão. Às 13h53, os papéis da Bovespa Holding avançavam 5,84 por cento, para 26,30 reais, e os da BM&F subiam 3,75 por cento, a 17,43 reais --ainda abaixo do preço de estréia no ano passado, de 20 reais.   Continuação...