Chávez espera aval da Colômbia para resgate de reféns das Farc

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007 17:17 BRST
 

Por Fabián Andrés Cambero e Ana Isabel Martínez

CARACAS (Reuters) - O governo da Venezuela espera a autorização do governo colombiano para executar um plano de libertação de três reféns em poder das Farc, o maior grupo guerrilheiro da Colômbia, através de uma caravana aérea.

O presidente Hugo Chávez disse nesta quarta-feira, em entrevista coletiva, que chegou a um acordo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para a libertação de Consuelo González, Clara Rojas e seu filho pequeno Emmanuel, nascido no cativeiro.

As Farc anunciaram na semana passada que iriam libertar os três reféns como um ato de desagravo, depois que o presidente colombiano, Álvaro Uribe, suspendeu a participação de Chávez como mediador numa troca humanitária de reféns por integrantes das Farc presos na Colômbia.

Os três reféns que podem ser libertados fazem parte de um grupo de 47 pessoas sequestradas pelas Farc, que agora tentam trocá-los por cerca de 500 rebeldes que estão presos.

Chávez, com marcador nas mãos e anotando um mapa da região, explicou "a fórmula que foi acordada até em pequenos detalhes com o comando das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia", que seria realizada com uma caravana área venezuelana.

Ele explicou que seu vice-chanceler para a América Latina estaria entregando simultaneamente o plano de libertação ao governo de Uribe.

"Só nos falta a autorização da Colômbia para acender a luz verde da operação", disse Chávez, que fez votos por uma rápida, feliz e bem-sucedida execução do plano.

O presidente explicou que não estará presente na libertação e designou o ex-ministro do Interior Ramón Rodríguez Chacín como seu representante.   Continuação...