ADM, Deere e Monsanto avaliam potencial da forragem para energia

terça-feira, 26 de agosto de 2008 16:07 BRT
 

NOVA YORK, 26 de agosto (Reuters) - A Archer Daniels Midland Co (ADM.N: Cotações), a Deere & Co (DE.N: Cotações) e a Monsanto Co (MON.N: Cotações) concordaram na terça-feira em trabalhar conjuntamente em tecnologias e processos que poderiam transformar resíduos de safras em ração e bionergia.

As empresas planejam identificar métodos economica e ambientalmente sustentáveis para a colheita, armezanamento e transporte de forragem de milho --as hastes, as folhas e as espigas do milho.

Neste ano a DuPont Co (DD.N: Cotações) e a dinamarquesa Danisco DCO.CO anunciaram uma colaboração similar para produzir etanol a partir de forragem de milho e bagaço de cana-de-açúcar.

A forragem de milho pode ser usada como ração animal, ou como matéria-prima para produzir eletricidade ou etanol. A forragem de milho é normalmente deixada no campo, onde ajuda a reduzir a erosão do solo e aumentar a matéria orgânica.

As empresas vão estudar como ajustar a taxa de coleta da forragem, para garantir que material suficiente fique no solo.

"Isso garante uma oportunidade de converter uma fonte subutilizada em uma nova fonte de valor para produtores e processadores", disse o chefe de tecnologia da Monsanto, Robb Fraley, em comunicado.

O custo de produzir álcool a partir de matéria celulósica como forragem de milho ainda é muito mais alto do que produzir etanol a partir do grão de milho, e por isso várias empresas tentam desenvolver um método eficiente e efetivo em relação ao custo.

(Por Euan Rocha)