27 de Junho de 2008 / às 01:18 / em 9 anos

InBev vai à Justiça para pressionar direção da Anheuser

Por Martinne Geller e Emily Chasan

NOVA YORK (Reuters) - A InBev afirmou na quinta-feira que entrou com uma ação para confirmar que os acionistas da Anheuser-Busch podem remover todos 13 membros do conselho da empresa sem dar um motivo, em meio à busca por apoio para sua proposta de aquisição no valor de 46,3 bilhões de dólares.

Apesar de o movimento ser visto por especialistas como o início do que pode ser uma oferta hostil de aquisição da Anheuser-Busch, a InBev diz que sua “forte preferência” é de entrar em um diálogo construtivo com a direção da cervejaria norte-americana para obter “uma combinação amistosa”.

A empresa belgo-brasileira, fabricante das cervejas Stella Artois e Beck‘s, fez uma proposta de 65 dólares por ação pela dona da Budweiser, mas a direção da Anheuser-Busch rejeitou a oferta na quinta-feira, alegando que ela subvaloriza a empresa.

“O que nós vemos agora é a rapidez com a qual o que era uma oferta relativamente amistosa mudou”, disse Anthony Sabino, professor de direito da Faculdade de Administração Tobin, da Universidade St. John‘s, em Nova York.

“A manobra legal saiu do manual de fusões e aquisições. Eles querem ter um voto de acionista e colocar pessoas deles na direção.”

A Anheuser-Busch ainda está aplicando mudanças na composição da sua direção, o que significa que alguns membros do conselho devem ser reeleitos enquanto outros têm mandatos mais longos.

Na ação impetrada na corte de Delaware Chancery, a InBev diz que sob o estatuto da Anheuser e sob a lei estadual está claro que oito diretores eleitos após 2006 estão sujeitos a serem removidos sem justificativa por meio de uma autorização escrita pelos acionistas.

A ação busca confirmar que os diretores restantes, que foram eleitos antes de a Anheuser mudar as regras para o seu conselho, agora estão sujeitos a serem removidos por meio do mesmo mecanismo, de acordo com a InBev.

“A parte traiçoeira é ... cláusulas de remoção de diretores”, disse Shirley Westcott, diretora administrativa de políticas para a empresa de consultoria Proxy Governance. Westcott afirma que a corte de Delaware decidiria o assunto.

A porta-voz da Anheuser-Busch não estava imediatamente disponível para fazer comentários, mas o Conselho da empresa se movimentou sutilmente nesta quinta-feira para mudar o seu estatuto em relação a ações escritas de consentimento de acionistas.

Em um comunicado à Comissão de Valores Mobiliários norte-americana, a empresa afirmou que a direção alterou o estatuto em relação ao processo de estabelecimento de datas para que os acionistas lancem uma ação escrita de autorização.

“Eles estão avançando sua defesa levemente”, afirmou Steven Davidoff, professor de direito da Universidade Wayne State, em Michigan. “Isso dá a eles algum controle sobre o momento no qual os acionistas votam.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below