ANP leiloa 271 blocos de exploração de petróleo e gás nesta 3a

terça-feira, 27 de novembro de 2007 09:03 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 27 de novembro (Reuters) - O governo brasileiro coloca em licitação nesta terça-feira 271 blocos para exploração de petróleo e gás natural no país em 14 setores, totalizando 73,07 mil quilômetros quadrados em áreas de elevado potencial, novas fronteiras e bacias maduras (já em produção).

Os lances mínimos do leilão variam de 19 milhões de reais, para blocos na agora ainda mais atraente bacia de Santos, a 8 mil reais para blocos em terra na estreante bacia do Peixe, na Paraíba.

Com o preço do barril do petróleo próximo aos 100 dólares e o recente anúncio de descoberta pela Petrobras (PETR4.SA: Cotações) de um campo gigante, o de Tupi, na camada pré-sal da bacia de Santos, a expectativa de especialistas é de que o leilão seja bem sucedido, apesar do governo ter retirado áreas atrativas às vésperas do leilão.

Sessenta e seis empresas nacionais e estrangeiras, além da Petrobras, estão habilitadas, entre elas Shell, Esso, Total, BHP, Repsol YPF, Chevron e as estreantes mineradoras Companhia Vale do Rio Doce (VALE5.SA: Cotações) e OGX, do empresário Eike Batista, que tentam garantir suprimento de gás para suas atividades no longo prazo.

Do total oferecido, 111 blocos estão localizados em áreas marítimas de elevado potencial, com ênfase para a produção de gás natural. Sessenta e nove blocos estão em áreas de novas fronteiras marítimas, que visam possibilitar o surgimento de novas bacias produtoras.

Outros 29 blocos estão em áreas de novas fronteiras terrestres, para atrair investimentos para regiões ainda pouco conhecidas geologicamente, como os 10 blocos na bacia do Parnaíba, no Maranhão, onde existe previsão de gás natural e a Petrobras (PETR4.SA: Cotações) pretende fazer oferta.

Mais 62 blocos em bacias terrestres maduras (já em produção), voltadas para pequenas e médias empresas, também fazem parte da nona edição de venda de blocos de petróleo promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Na última rodada de licitações realizada pela agência, a sétima, em 2005, o governo vendeu 251 dos 1.134 blocos ofertados com risco exploratório, e 16 das 17 áreas com acumulações marginais. Ao todo 77 empresas apresentaram ofertas isoladamente ou em consórcio. O total arrecadado no leilão, na época, foi de 1,088 bilhão de reais.

A oitava rodada, no ano passado, foi suspensa em seu primeiro dia por força de duas medidas judiciais. Estava prevista a oferta de 284 blocos distribuídos por sete bacias sedimentares.

(Reportagem de Denise Luna; Edição de Marcelo Teixeira)