BOVESPA-Dados corporativos ruins fazem índice cair mais de 2%

quinta-feira, 26 de junho de 2008 12:34 BRT
 

SÃO PAULO, 26 de junho (Reuters) - Uma chuva de notícias corporativas desoladoras no cenário internacional contaminava os negócios da Bolsa de Valores de São Paulo nesta quinta-feira.

Defendido apenas pelos ganhos das ações da Petrobras, que subiam acompanhando as cotações do petróleo, o Ibovespa .BVSP cedia 2,4 por cento, aos 64.244 pontos. O giro financeiro na bolsa era de 2,15 bilhões de reais.

Depois de o índice ter subido 2,6 na quarta-feira, na esteira da manutenção do juro dos Estados Unidos em 2,0 por cento ao ano e de uma ligeira pausa nos temores com a saúde de grandes bancos globais, o setor financeiro voltava a penalizar os negócios.

Na Europa, o principal índice das bolsas da região buscava o menor patamar desde 2005, repercutindo sinais dados na quarta-feira à noite pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, de que uma alta do juro na região deve ocorrer em breve.

Wall Street respondia com pessimismo a uma cadeia de notícias corporativas desanimadoras. O Goldman Sachs divulgou um relatório prevendo novas baixas contábeis do Citi e do Merrill Lynch relacionadas à crise de crédito nos Estados Unidos. Por sua vez, o Wachovia cortou as previsões de ganhos do Goldman Sachs.

A fabricante de produtos esportivos Nike apresentou previsões de resultados que desagradaram os investidores. E o banco belga-holandês Fortis anunciou redução nos dividendos e uma emissão de ações para garantir sua solvência.

"Com tanta notícia ruim, a Bovespa está dançando conforme a música que toca nas bolsas lá de fora", disse Carlos Alberto Ribeiro, diretor da Novação Distribuidora.

Com isso, 64 das 66 ações que compõem o Ibovespa registravam perdas.

Entre os setores mais machucados estavam o financeiro e as companhias aéreas. As ações preferenciais da TAM TAMM4.SA perdiam 5,9 por cento, a 30,49 reais, enquanto as ordinárias do Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações) tinham baixa de 4,1 por cento, a 27,18 reais.

O pior desempenho do dia era das ações ordinárias da JBS Friboi (JBSS3.SA: Cotações), com declínio de 6,2 por cento, valendo 7,69 reais. O mercado ainda repercutia a notícia de que o Senado dos EUA pediu, na terça-feira, o bloqueio da compra de duas processadoras de carne bovina norte-americanas pela JBS.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Daniela Machado)