Gabinete de Berlusconi apóia lei que impede que seja processado

sexta-feira, 27 de junho de 2008 08:27 BRT
 

Por Stephen Brown

ROMA (Reuters) - O gabinete do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, aprovou na sexta-feira uma lei que dá a ele imunidade a julgamentos das cortes italianas que, segundo o premiê, o perseguem desde que começou sua carreira política, há 14 anos.

Se aprovada pelo Parlamento, onde o líder conservador tem uma sólida maioria, a lei dará imunidade a quatro autoridades --o presidente, o primeiro-ministro e os dois presidentes do Parlamento-- durante os seus mandatos.

A última tentativa de passar uma lei como esta aconteceu no mandato anterior de Berlusconi, em 2004, mas a lei foi considerada inconstitucional. Contudo, o ministro da Defesa, Ignazio La Russa, disse, ao deixar a reunião, que a nova versão da lei "leva em conta" todas as objeções feitas anteriormente.

O premiê de 71 anos declarou guerra contra os promotores "tendenciosos", aos quais chamou de "câncer crescente" nesta semana. Seu objetivo é evitar possíveis condenações, especialmente dele próprio, em um caso de suborno em Milão contra Berlusconi e o advogado britânico do premiê, David Mills.

Uma das determinações da lei, que tem sido chamada de "salve o primeiro-ministrro", suspenderia por um ano todos os casos não-urgentes tramitando nas cortes italianas --incluindo o de Milão. Seus advogados também querem remover o juiz do caso.

Berlusconi enfrenta outro processo em Nápoles, pela suposta conspiração entre seu império de mída -- a maior rede de televisão privada da Itália -- e a TV estatal RAI.

Berlusconi, o homem mais rico da Itália, diz ter gasto 174 milhões de euros (271 milhões de dólares) em honorários legais desde que se tornou político em 1994, devido a casos relacionados a seus negócios, que vão de redes de TV a seguradoras e o time de futebol Milan.