IGP-M fecha agosto em queda, a primeira desde 2006

quarta-feira, 27 de agosto de 2008 09:01 BRT
 

SÃO PAULO, 27 de agosto (Reuters) - A queda contínua dos dos alimentos garantiu em agosto a primeira deflação do IGP-M desde 2006, o que acrescenta mais um dado positivo sobre o comportamento dos preços no país na segunda metade do ano.

O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), utilizado no reajuste de aluguéis e algumas tarifas públicas, registrou uma forte queda de 0,32 por cento em agosto, depois de ter subido 1,76 por cento em julho, informou nesta quarta-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pelo cálculo.

A queda foi mais forte do que a esperada pelo mercado.

Analistas consultados pela Reuters projetavam uma deflação de 0,18 por cento, de acordo com a mediana dos prognósticos de 28 instituições financeiras.

A principal razão por trás da queda do IGP-M no mês foi o comportamento das matérias-primas, que fizeram com que o Índice de Preços por Atacado (IPA), um dos três componentes do IGP-M, registrasse uma queda de 0,74 por cento, ante o salto de 2,2 por cento de julho.

Itens como soja e milho em grãos reverteram os movimentos de alta verificados até julho e caíram de forma pronunciada, em 13,32 por cento e 11,46 por cento, respectivamente.

Na outra ponta, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) --que responde por 30 por cento o IGP-M-- subiu 0,23 por cento, menos da metade da alta de 0,65 por cento verificada no mês anterior.

Assim como no atacado, a principal contribuição para o aumento mais fraco veio do grupo Alimentação, onde produtos como hortaliças e legums tiveram uma queda de 6,51 por cento nos preços.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou variação positiva de 1,27 por cento, após alta de 1,42 por cento em julho.   Continuação...