Decisão de Uribe de repetir eleição provoca polêmica na Colômbia

sexta-feira, 27 de junho de 2008 14:11 BRT
 

Por Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) - As principais forças de oposição da Colômbia acusaram nesta sexta-feira o presidente Álvaro Uribe de ser um "ditador populista" por sua decisão de convocar um referendo para repetir a eleição presidencial de 2006, o que desatou uma crise política e acentuou a queda do peso.

A oposição também acusou o presidente de querer perpetuar-se no poder, violando a Constituição vigente.

A polêmica teve início após a Suprema Corte de Justiça ter questionado a legitimidade da reforma constitucional que permitiu a reeleição de Uribe em 2006.

Uma ex-legisladora foi condenada a quase 4 anos de prisão domiciliar depois de ter confessado que aprovou o projeto após ter recebido oferta de suborno do governo.

"O presidente está por cima dos outros poderes na Colômbia, e por isso não estamos em uma democracia constitucional, e sim em uma ditadura populista", disse o presidente do partido de esquerda Polo Democrático, Carlos Gaviria.

"O presidente pensa que pode convocar o povo quando quiser e para o que quiser", afirmou o político, candidato derrotado por Uribe na eleição presidencial de 2006.

Gaviria, especialista em direito constitucional, advertiu que na Colômbia não está sendo respeitado o direito de revisão para os veredictos da Corte Constitucional, que aprovou a reforma que abriu caminho para a reeleição de Uribe.

O senador Héctor Elí Rojas, porta-voz do opositor Partido Liberal, disse que o problema não foi a eleição presidencial de 2006, mas sim a reforma da Constituição no Congresso, que, segundo a Suprema Corte, foi marcada por irregularidades.   Continuação...