Natal terá os menores juros desde 1994, diz BC

terça-feira, 27 de novembro de 2007 12:52 BRST
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - A oferta de crédito no país cresceu novamente em outubro, acompanhando o avanço da demanda interna, e a taxa média de juros cobrada pelos bancos voltou a recuar ligeiramente, a despeito da freada na redução da Selic promovida pelo Banco Central no período.

A expectativa da autoridade monetária, que divulgou nesta terça-feira seu balanço sobre o mercado de crédito no país, é que os juros continuem a cair nos próximos meses, refletindo um aumento da competitividade entre os bancos.

"Para a pessoa física, vai ser o Natal com as menores taxas de juros desde julho de 1994 (início da série)", afirmou a jornalistas o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.

As operações de crédito oferecidas pelo sistema financeiro somaram 880,8 bilhões de reais em outubro, o equivalente a 34 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Em setembro, o volume total do crédito correspondia a 33,3 por cento do PIB.

Levando em conta apenas as operações com recursos livres, o volume em outubro somou 619,4 bilhões de reais, um aumento de 2,8 por cento na comparação mensal e de 30,1 por cento frente a igual período do ano passado.

"A evolução do crédito, constatada no crescimento tanto das operações referenciadas em recursos livres quanto em recursos direcionados, permanece consistente com o dinamismo da demanda interna", afirmou o BC em relatório.

O crescimento do crédito ocorreu com a elevação do prazo médio, que somou o recorde de 341 dias no mês, e inadimplência de 4,5 por cento, frente a 4,6 por cento em setembro.

JUROS   Continuação...