Governo estuda capitalizar Petrobras com ativos do pré-sal

quarta-feira, 27 de agosto de 2008 13:43 BRT
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O aumento da participação do governo no capital da Petrobras para garantir a posse do pré-sal ganha cada vez mais corpo junto a interlocutores do presidente Lula, mas o aporte seria feito com ativos da União e não com recursos, como vem sendo especulado.

"Isso é uma idéia que está sendo pensada para o pré-sal, um aporte não de dinheiro, mas de ativos da União", disse uma fonte próxima às negociações que pediu para não ser identificada.

A opção evitaria o desembolso do governo e um eventual atraso na exploração das reservas, o que aconteceria se a discussão sobre o pré-sal tivesse que passar por mudanças regulatórias e, consequentemente, pelo Congresso Nacional.

A idéia seria manter o atual modelo de concessões, mas com o governo mais poderoso dentro da estatal e a cobrança de taxas maiores pela produção no pré-sal, uma área que se estende do Espírito Santo a Santa Catarina e que pode conter bilhões de barris da commodity.

A moeda de troca do governo pelas ações da companhia seria o petróleo contido nos campos ainda não licitados do pré-sal, e que podem estar unidos aos já descobertos.

"A parte que extrapola o limite do bloco (da bacia de Santos) entra em áreas não licitadas e pertence à União. A União pode usar como ativo para aportar na Petrobras", explicou a fonte.

Segundo a fonte, a idéia foi apresentada pelo presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, na reunião de terça-feira da comissão interministerial.

"Lá no futuro, quando estiver confirmado (óleo nos campos não licitados), isso teria um valor, então isso pode ser entregue à Petrobras como aporte de capital, uma troca onde o governo receberia ações da Petrobras em vez de ficar com as reservas de petróleo", explicou a fonte, que descartou que a empresa esteja pensando em emitir ações no momento.   Continuação...