Mais de 30 Talibans são mortos ou feridos no Afeganistão

quinta-feira, 28 de agosto de 2008 07:31 BRT
 

CABUL (Reuters) - Forças afegãs e de outros países mataram ou feriram mais de 30 militantes em combates no sul e no sudeste do Afeganistão, informaram o Ministério da Defesa afegão e o Exército norte-americano na quinta-feira.

A violência tem aumentado no Afeganistão, com mais de 2.500 pessoas, incluindo mil civis, mortos no conflito nos primeiros seis meses deste ano, segundo agências de ajuda.

Soldados afegãos e de outros países mataram e feriram 18 insurgentes em combates no distrito de Arghanbad, na província de Zabul, sul do país, informou o Ministério da Defesa em comunicado na quinta-feira.

"Doze cadáveres de insurgentes foram deixados no campo de batalha", disse o ministério. Soldados também encontraram 10 quilos de ópio deixados pelos insurgentes.

Em um outro incidente, soldados afegãos mataram 10 insurgentes, entre eles traficantes de drogas, durante uma operação de segurança no distrito de Girishk, na província de Helmand, também no sul, na quarta-feira, afirmou o ministério em outro comunicado.

O incidente foi parte de uma operação mais ampla que visa combater os traficantes de drogas da região. Helmand produz dois terços do ópio do país. O ópio é a matéria-prima da heroína.

Soldados afegãos também travavam duros combates com militantes do Taliban no distrito de Nad Ali, também em Helmand.

"Foram impostas pesadas baixas durante os duros combates entre soldados afegãos e insurgentes, mas o número exato não é conhecido", disse o Ministério da Defesa, acrescentando que um soldado foi morto e um outro ferido nos combates.

Um soldado das forças de coalizão liderada pelos Estados Unidos também morreu quando fazia uma patrulha no sul do país na quarta-feira, informou o Exército dos EUA em comunicado. A nacionalidade do militar não foi revelada.

Na província de Paktika, no sudeste do país, forças da coalizão mataram um militante na quarta-feira após atacar soldados, disseram os militares norte-americanos em outro comunicado.