Paraguai reúne dados de militares envolvidos com Operação Condor

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007 17:46 BRST
 

ASSUNÇÃO, 28 de dezembro (Reuters) - A filial paraguaia da Interpol informou na sexta-feira que responderá nos próximos dias a um pedido da Itália sobre o paradeiro de vários militares e um chefe policial com ordens de prisão por envolvimento com a chamada "Operação Condor".

Um juiz italiano determinou esta semana a prisão de cerca de 140 sul-americanos suspeitos de participar da operação de repressão coordenada durante as ditaduras militares que governaram o Cone Sul na década de 1970.

A Interpol Paraguai disse que recebeu em 19 de dezembro uma nota da Itália que questionava a localização e a situação processual dos paraguaios incluídos no ofício.

Dos sete paraguaios que figuram no documento, três estão mortos, entre eles o ex-ditador Alfredo Stroessner, um general que governou o país durante 35 anos, até 1989, e que morreu em Brasília em agosto de 2006.

"Estamos preparando a resposta, juntando os documentos para poder enviá-los à Italia nos próximos dias", disse a uma emissora de rádio local o comissário Rubén Barboza, chefe da Interpol Paraguai.

A lista de suspeitos de envolvimento com a Operação Condor inclui também brasileiros, peruanos, uruguaios, argentinos, chilenos e bolivianos. As principais acusações são assassinatos em massa, sequestro, homicídio e tortura.

(Reportagem de Daniela Desantis)