CÂMBIO-Dólar segue otimismo externo e exibe tendência de baixa

quinta-feira, 28 de agosto de 2008 11:13 BRT
 

SÃO PAULO, 28 de agosto (Reuters) - O dólar operava com discreta baixa diante do real nesta quinta-feira, acompanhando o otimismo internacional com o crescimento dos Estados Unidos no segundo trimestre e a desvalorização da moeda norte-americana em outros mercados.

Às 11h05, a divisa BRBY era cotada a 1,621 real, com variação negativa de 0,06 por cento.

O mercado internacional recebeu com ânimo a revisão do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no segundo trimestre, que teve crescimento de 3,3 por cento. O resultado diminuiu o temor de uma recessão e a aversão a risco entre os investidores.

"O mercado está respondendo bem ao PIB (dos Estados Unidos) revisado", disse o gerente de câmbio de um banco estrangeiro, que preferiu não ser identificado.

O risco Brasil 11EMJ caía 4 pontos-básicos, e o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tinha alta de quase 1 por cento.

A queda do dólar no exterior, provocada pela percepção cada vez menor de uma redução do juro na zona do euro, também se refletia no mercado de câmbio do Brasil. O dólar .DXY tinha baixa de 0,3 por cento ante uma cesta com as principais moedas.

"O cenário externo, especialmente no que se refere à percepção de risco do investidor global e à evolução do dólar e das commodities, continuará sendo fundamental para a formação das cotações dos ativos financeiros domésticos", escreveu Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora, em relatório.

O mercado, no entanto, ganhava volatilidade com a proximidade do final do mês. A Ptax (taxa média do dólar) desta sexta-feira será usada como referência para a liquidação dos contratos futuros e outros derivativos em vencimento, e por isso os investidores tentam interferir na formação da taxa de acordo com seu posicionamento no mercado.

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os estrangeiros voltaram a refletir uma aposta na queda do dólar em relação ao real. Esses investidores, que tinham 194 milhões de dólares em posições compradas em derivativos cambiais na terça-feira, exibiam 2,2 bilhões de dólares em posições vendidas no dia seguinte.

(Reportagem de Silvio Cascione; Reportagem adicional de Jenifer Corrêa; Edição de Daniela Machado)