JURO-Taxas dividem-se entre IGP-M mais brando e tom duro do BC

sexta-feira, 28 de março de 2008 16:20 BRT
 

SÃO PAULO, 28 de março (Reuters) - As projeções de juros encerraram a sexta-feira sem tendência comum. Alguns contratos ainda reagiram ao Relatório de Inflação divulgado pelo Banco Central na véspera, enquanto outros acompanharam o IGP-M abaixo do esperado em março.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2010, o mais procurado, caiu de 13,25 para 13,20 por cento ao ano.

O DI julho de 2008, segundo mais demandado nesta sessão e que embute as projeções para a reunião do Comitê de Política Monetária de junho, terminou estável, a 11,45 por cento. O DI janeiro de 2009 subiu de 12,30 para 12,31 por cento.

A inflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) acelerou em março após dois meses de queda, mas ficou abaixo do previsto. A alta do indicador foi de 0,74 por cento, ante 0,53 por cento em fevereiro e 0,83 por cento da projeção mediana de analistas.

No Relatório de Inflação, o BC elevou sua projeção para a inflação "oficial" deste ano a 4,6 por cento --acima do centro da meta, de 4,5 por cento-- e citou preocupações com a demanda aquecida.

"Apesar do bom resultado do IGP-M, o Relatório de Inflação continua pesando no mercado e elevando algumas projeções de juros", disse Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora.

No mercado aberto, o Banco Central recolheu 11,360 bilhões de reais dos bancos até segunda-feira, garantindo remuneração de 11,19 por cento ao ano.

(Por Vanessa Stelzer; Edição de Daniela Machado)