Ajuda de programa social chega a quase 20% de domicílios--IBGE

sexta-feira, 28 de março de 2008 11:48 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Pouco menos de 20 por cento dos 54,7 milhões de domicílios brasileiros têm pelo menos uma pessoa beneficiada por programas de transferência de renda, de acordo com o IBGE, que também apontou melhora nas condições de vida das pessoas atendidas por essas iniciativas.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2006, que analisou as informações de programas de transferência de renda das três esferas de governo, a melhora registrada em indicadores como saneamento básico, infra-estrutura e frequência escolar foi mais acentuada entre os domicílios incluídos no programa, na comparação com famílias que não recebem o recurso.

"Receberam os benefícios desses programas famílias em que há crianças que precisam de apoio, onde há trabalho infantil, famílias com nível de renda bastante baixo e famílias com melhoria nas condições básicas", disse a jornalistas o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Nunes.

"O alvo desse programa foi efetivamente alcançado, mas não é um programa que efetivamente vai resolver imediatamente o nível de renda da população", acrescentou.

De acordo com os dados, a renda per capita nos domicílios que abrigam beneficiados desses programas é de 172 reais, ante 601 reais no total de domicílios e 699 reais nas famílias que não recebem o auxílio.

O estudo do IBGE mostrou que dos quase 10 milhões de domicílios brasileiros atendidos por esse tipo de programa, 8,1 milhões são beneficiados pelo Bolsa Família, carro-chefe do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ainda assim, o presidente do IBGE apontou necessidades de alterações no programa.

"O primeiro aperfeiçoamento do Bolsa Família é a continuidade, pois é um programa que atinge um público alvo, mas todas as necessidades básicas não foram satisfeitas. O segundo passo é avaliar o valor concedido para cada uma dessas famílias, inclusive com a perspectiva de se aumentar", disse Nunes.

O estudo mostrou ainda que o Nordeste é a região do país com a maior proporção de domicílios beneficiados por programas sociais, 35,9 por cento do total. Além disso, 67,9 por cento dos responsáveis pelos domicílios com recebimento declararam-se pretos ou pardos.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)