Boeing fecha acordo preliminar para por fim à greve de 52 dias

terça-feira, 28 de outubro de 2008 10:21 BRST
 

Por Bill Rigby e Ilaina Jonas

NOVA YORK, 28 de outubro (Reuters) - A Boeing (BA.N: Cotações) e o maior sindicato de trabalhadores da empresa chegaram a um acordo preliminar para por fim à maior greve nas fábricas da companhia em 13 anos e conter perdas de receita estimadas em 100 milhões de dólares por dia.

Na quarta tentativa, e com a ajuda de um mediador federal, o sindicato que representa 27 mil trabalhadores disse no fim da segunda-feira que fechou um acordo de quatro anos com a Boeing, que vai dar garantia de emprego de seus membros e um limite ao processo de terceirização.

Notícias do acordo foram bem recebidas por companhias do setor em todo mundo, uma rede globalizada de fornecedores que tem sido fonte de disputa quanto à manutenção de empregos entre a Boeing e trabalhadores na área da cidade de Seattle.

A Boeing, cujas fábricas permaneceram fechada por 52 dias, confirmou o acordo preliminar, dizendo que conseguiu a flexibilidade necessária para continuar com os negócios.

Se o acordo for aprovado pelos membros da Associação Internacional de Maquinistas e Trabalhadores Aeroespaciais (IAM, na sigla em inglês), acabará a greve mais longa da história recente da Boeing. O sindicato realizou greve de 28 dias em 2005 e 69 dias em 1995.

A Boeing irá enfrentar quase imediatamente negociações contratuais com a Sociedade de Engenheiros Profissionais (SPEEA, na sigla em inglês), que representa mais de 20 mil trabalhadores da área de engenharia. A SPEEA informou em seu site que as negociações começarão na quarta-feira.

A Boeing, que tem sede em Chicago, informou na última semana uma queda de 38 por cento no lucro trimestral devido basicamente à greve dos funcionários.

Quando a greve terminar, também é esperado que a Boeing faça uma atualização sobre seu 787 Dreamliner, o que pode incluir novos adiamentos do programa da empresa, que já está 16 meses atrasado.