Forças dos EUA entram em combates a milicianos no Iraque

sexta-feira, 28 de março de 2008 08:32 BRT
 

Por Peter Graff

BAGDÁ (Reuters) - Forças norte-americanas entraram nos combates entre forças iraquianas e militantes xiitas, que já duram quatro dias, na sexta-feira, lançando ataques aéreos em Basra pela primeira vez e enfrentando militantes em Bagdá.

Os combates expuseram novas divisões entre a maioria xiita do país e colocaram pressão no primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, cujas forças não conseguiram expulsar os militantes leais ao clérigo xiita Moqtada al-Sadr da segunda maior cidade do país.

Autoridades iraquianas decretaram um rígido toque de recolher em Bagdá na sexta-feira, o que pareceu ter reduzido os ataques com foguetes e morteiros que tumultuaram a capital nesta semana. Parlamantares, incluindo os leiais a Sadr, concordaram em se reunir para tentar colocar fim ao impasse.

O governo afirma que combate "foras-da-lei", mas os seguidores de Sadr afirmam que partidos políticos que fazem parte da coalizão de governo de Maliki tentam marginalizar os rivais antes das eleições locais de outubro.

O comandante das forças iraquianas em Basra, major-general Ali Zaidan, disse à Reuters que suas forças mataram 120 "combatentes inimigos" e feriram outros 450 desde o início dos confrontos.

Mas imagens da TV Reuters mostraram homens armados e mascarados do Exército Mehdi, de Sadr, ainda controlando as ruas e carregando abertamente foguetes e máquinas.

Um porta-voz do Ministério da Defesa da Grã-Bretanha disse que aviões norte-americanos de guerra abriram fogo em Basra pela primeira vez para dar apoio às unidades iraquianas em solo. Até o momento, as tropas britânicas, que patrulhavam Basra até dezembro, permanecem numa base nos arredores da cidade.

Uma testemunha da Reuters disse que homens armados do Exército Mehdi tomaram o controle da cidade de Nassiriya, capital da província de Dhi Qar, no sul do país.   Continuação...

 
<p>Seguidor de Moqtada al-Sadr armado, em Basra, em March 28, 2008. Photo by Atef Hassan</p>