Estoques de minério em portos chineses continuam a subir

quarta-feira, 28 de maio de 2008 12:18 BRT
 

Por Alfred Cang

XANGAI, 28 de maio (Reuters) - A China descobriu que é mais difícil do que ela esperava reduzir os estoques de minério de ferro que estão abarrotando seus portos com mais de 80 milhões de toneladas, disse uma autoridade na quarta-feira.

O forte congestionamento nos portos ao norte da China está contribuindo para um aumento das taxas de fretes, que atingiram altas recordes na semana passada.

Isso por sua vez enfraqueceu a posição de barganha das siderúrgicas chinesas já que elas tentam limitar os aumentos de preços das fornecedoras de minério australianas.

"Assim que nos movemos um pouco, os navios que ainda estavam na fila para descarregar entregaram mais minério aos depósitos", disse a repórteres Luo Bingsheng, secretário geral da Associação Chinesa de Minério e Aço.

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), principal entidade de planejamento da China, se reuniu há duas semanas para definir medidas para reduzir os estoques de minério de ferro dos portos. O porto de Tianjin vai elevar as taxas dos depósitos para levar os traders a mexerem neles.

Lideradas pelo NDRC, entidades e departamentos do governo vão enviar grupos de monitoramento aos portos para ajudar com as reservas, disse Luo à Reuters.

Os estoques subiram já que os especuladores apostam que as usinas chinesas terão que concordar em pagar às mineradoras australianas mais do que os aumentos de 65 e 71 por cento fechados com a Vale (VALE5.SA: Cotações) neste ano.

Luo afirmou que seria "totalmente normal" se os estoques superarem agora 80 milhões de toneladas, mas não deu um número atualizado. Em 15 de maio os estoques eram de 79,22 milhões de toneladas.

A Rio Tinto (RIO.L: Cotações)(RIO.AX: Cotações) e a BHP Billiton (BHP.AX: Cotações)(BLT.L: Cotações) argumentam que deveriam receber mais por seu minério do que a Vale, para compensar pelos custos mais baixos de embarques da Austrália para a Ásia.

Luo reiterou que as siderúrgicas chinesas não vão aceitar as exigências dos australianos.