Boeing descarta ingressar no mercado de jatos regionais

sexta-feira, 28 de março de 2008 14:06 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO, 28 de março (Reuters) - A norte-americana Boeing (BA.N: Cotações) prevê forte crescimento na demanda de aeronaves em mercados emergentes como Brasil, China e Índia. Nem por isso, a companhia tem planos de ingressar no mercado de jatos regionais, aviões com 90 ou menos assentos adotados por algumas das empresas aéreas desses países.

Segundo Randy Tinseth, vice-presidente de marketing da divisão comercial da empresa, a Boeing "não tem intenção de atuar nesse mercado". "Continuaremos a acompanhar e monitorar os movimentos do segmento, mas ele não está nos nossos planos", afirmou a jornalistas em São Paulo nesta sexta-feira.

Segundo as estimativas de mercado apresentadas pela Boeing, a demanda por aeronaves na América Latina será de 1,73 mil aeronaves, só perdendo para a China. O número equivale a algo como 120 bilhões de dólares, dos quais 8 por cento representam jatos regionais --a menor fatia dentro da demanda até 2026.

A maior parte, ou 79 por cento dos aviões que serão vendidos, de acordo com a previsão da companhia, será de aeronaves entre 100 e 200 assentos e um único corredor.

Os executivos da companhia também lembraram que a competição no segmento de jatos regionais já é grande e promete se acirrar, com a possibilidade da entrada da Mitsubishi e da russa Sukhoi, além de já ser dominado por Embraer (EMBR3.SA: Cotações) e Bombardier (BBDb.TO: Cotações), respectivamente brasileira e canadense.

"Os jatos regionais têm um mercado, mas é um mercado que responde por 8 por cento do total", ressaltou John Wojick, vice-presidente de vendas para América Latina e Caribe.

Além disso, Tinseth afirmou que a visão da Boeing é de que as companhias aéreas vão sofrer cada vez maior pressão por controle de custos, com a alta do combustível de aviação, e por melhor aproveitamento de suas frequências --o que, na avaliação do executivo, deve beneficiar aeronaves maiores.

  Continuação...