BOVESPA-Após oscilação na abertura, índice firma alta

quarta-feira, 28 de maio de 2008 12:24 BRT
 

SÃO PAULO, 28 de maio (Reuters) - Após um comportamento errático na abertura, a Bolsa de Valores de São Paulo firmava tendência de valorização nesta quarta-feira, com recuparação das ações de empresas de commodities.

Às 12h24, o Ibovespa .BVSP apontava alta de 0,88 por cento, marcando 71.618 pontos. O giro financeiro era de 2,4 bilhões de reais.

Setorialmente, os ganhos eram liderados pelas ações empresas elétricas, com destaque para as preferenciais da Cesp CESP6.SA, com um salto de 8,84 por cento, a 31,28 reais.

"O mercado considera a possibilidade de retomada do leilão de desestatização da companhia", disse Ricardo Tadeu Martins, gerente de pesquisa da corretora Planner.

Segundo ele, essa expectativa baseia-se na leitura de um possível acordo entre os governos federal e paulista, envolvendo a venda da Nossa Caixa BNCA3.SA para o Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações), cujas ações ordinárias subiam 2,82 por cento, a 29,92 reais.

A operação teria como contrapartida um esforço do governo Lula para apressar a renovação das concessões de geradoras da Cesp, cujo atraso levou ao fracasso da venda da companhia, há dois meses.

Ações de empresas ligadas a commodities, que na terça-feira puxaram a perda de 0,89 por cento do índice, exibiam recuperação. Dentre a siderúrgicas, os líderes eram os papéis ordinários da Usiminas USIM3.SA com avanço de 1,23 por cento, valendo 88,12 reais.

As preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), líderes em giro, reduziam as perdas, com valorização de 0,40 por cento, cotadas a 50,13 reais, na cola das cotações do petróleo. Em Nova York, o barril da commodity operava praticamente estável.

Entre os destaques negativos figuravam as ações ordinárias da Embraer (EMBR3.SA: Cotações), com declínio de 2,03 por cento, avaliadas em 14,98 reais. Na terça-feira à noite, diversas companhias aéreas divulgaram previsões pessimistas para os próximos anos, devido aos altos custos dos combustíveis.

As preferenciais da AmBev AMBV4.SA caíam 1,52 por cento, valendo 116,80 reais. Na terça-feira, fontes informaram que a InBev INTB.BR, sua controladora, ainda não iniciou negociações com a Anheuser-Busch (BUD.N: Cotações), mas está considerando a aquisição da cervejaria norte-americana.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Cláudia Pires)