BOVESPA-Após oscilação na abertura, índice firma alta

quarta-feira, 28 de maio de 2008 12:24 BRT
 

SÃO PAULO, 28 de maio (Reuters) - Após um comportamento errático na abertura, a Bolsa de Valores de São Paulo firmava tendência de valorização nesta quarta-feira, com recuparação das ações de empresas de commodities.

Às 12h24, o Ibovespa .BVSP apontava alta de 0,88 por cento, marcando 71.618 pontos. O giro financeiro era de 2,4 bilhões de reais.

Setorialmente, os ganhos eram liderados pelas ações empresas elétricas, com destaque para as preferenciais da Cesp (CESP6.SA: Cotações), com um salto de 8,84 por cento, a 31,28 reais.

"O mercado considera a possibilidade de retomada do leilão de desestatização da companhia", disse Ricardo Tadeu Martins, gerente de pesquisa da corretora Planner.

Segundo ele, essa expectativa baseia-se na leitura de um possível acordo entre os governos federal e paulista, envolvendo a venda da Nossa Caixa BNCA3.SA para o Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações), cujas ações ordinárias subiam 2,82 por cento, a 29,92 reais.

A operação teria como contrapartida um esforço do governo Lula para apressar a renovação das concessões de geradoras da Cesp, cujo atraso levou ao fracasso da venda da companhia, há dois meses.

Ações de empresas ligadas a commodities, que na terça-feira puxaram a perda de 0,89 por cento do índice, exibiam recuperação. Dentre a siderúrgicas, os líderes eram os papéis ordinários da Usiminas (USIM3.SA: Cotações) com avanço de 1,23 por cento, valendo 88,12 reais.

As preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), líderes em giro, reduziam as perdas, com valorização de 0,40 por cento, cotadas a 50,13 reais, na cola das cotações do petróleo. Em Nova York, o barril da commodity operava praticamente estável.

Entre os destaques negativos figuravam as ações ordinárias da Embraer (EMBR3.SA: Cotações), com declínio de 2,03 por cento, avaliadas em 14,98 reais. Na terça-feira à noite, diversas companhias aéreas divulgaram previsões pessimistas para os próximos anos, devido aos altos custos dos combustíveis.

As preferenciais da AmBev AMBV4.SA caíam 1,52 por cento, valendo 116,80 reais. Na terça-feira, fontes informaram que a InBev INTB.BR, sua controladora, ainda não iniciou negociações com a Anheuser-Busch BUD.N, mas está considerando a aquisição da cervejaria norte-americana.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Cláudia Pires)