Colombianos votam para governador e prefeito em eleições locais

domingo, 28 de outubro de 2007 15:11 BRST
 

BOGOTÁ (Reuters) - Os colombianos votam neste domingo em eleições para governadores, prefeitos e vereadores, num pleito marcado pela violência e que deve mostrar em que grau o presidente do país, Álvaro Uribe, conseguiu diminuir a influência dos grupos paramilitares.

A violência provocada pelos conflitos no país diminuiu sob o governo de Uribe, porém ao menos 21 candidatos foram mortos durante a campanha em ataques atribuídos principalmente às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Os votos para mais de 18 mil postos públicos podem mostrar até que ponto Uribe sufocou os grupos armados, especialmente as organizações paramilitares ilegais que foram desarmadas por acordos de paz com o governo, mas que permanecem influentes na política local de acordo com grupos de defesa dos direitos humanos.

"Uma grande participação dos eleitores mostrará ao mundo a situação da democracia da Colômbia", afirmou Uribe durante o início das eleições, que envolvem mais de 86 mil candidatos. A votação começou pacificamente no país, sem relatos de grandes atos violentos.

O governo diz que os assassinatos caíram desde a última eleição local, realizada em 2003, e o aumento no número de candidatos indica um sinal de segurança maior em áreas onde os grupos armados impediam a população de votar.

Apesar disso, um organismo independente rebate a informação oficial, dizendo que a violência aumentou, já que as Farc tentam demonstrar a autoridade do movimento em áreas rurais, onde tropas do governo isolaram a milícia nas selvas e montanhas.

Críticos também mostram preocupação com a influência de um grupo de senadores e deputados da base governista, preso após a descoberta de laços com antigas organizações paramilitares acusadas de algumas das maiores atrocidades e massacres na Colômbia durante o conflito de quatro décadas.

Mais de 31 mil paramilitares que lutaram contra os rebeldes se desarmaram após um acordo de paz, porém parte deles se rearmou e grupos de defesa dos direitos humanos dizem que os comandantes das milícias mantiveram intactas suas estruturas criminosas.

O partido de esquerda Polo Democrático Alternativo, principal opositor de Uribe, também espera ter um bom desempenho nas eleições para sedimentar uma base consistente para as eleições presidenciais da Colômbia, em 2010.