Venda de imóveis despenca nos EUA, mas atividade sobe

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007 18:00 BRST
 

Por Emily Kaiser

WASHINGTON (Reuters) - As vendas de novas moradias nos Estados Unidos caíram em novembro para a menor taxa registrada desde 1995, mas a atividade econômica subiu no período, de acordo com relatórios divulgados nesta sexta-feira que mostram alguns bolsões de crescimento apesar da desaceleração do setor imobiliário.

A venda de casas novas registrou uma queda de 9 por cento, para uma taxa anual de 647 mil unidades em novembro, ante dado revisado para baixo em outubro de 711 mil unidades, informou o Departamento de Comércio.

Analistas consultados pela Reuters esperavam uma taxa anual ajustada de venda de 720 mil unidades para o período.

O aumento das execuções hipotecárias e dos calotes nos pagamentos afetou os mercados financeiros nos últimos meses. Bancos registraram baixas contábeis de dezenas de bilhões de dólares em créditos ruins, e as taxas de juros dos financiamentos subiram, o que ameaça travar o crescimento econômico dos Estados Unidos.

O Federal Reserve, o banco central dos EUA, reduziu sua taxa básica de juro três vezes desde meados de setembro, num esforço para impulsionar a economia. Analistas esperam novos cortes do juro a partir do início de 2008.

Os dados sobre vendas desta sexta-feira sugerem que o mercado de imóveis novos pode ter espaço para novas quedas, já que os estoques de casas à venda subiram para 9,3 meses ante taxa de 8,8 meses em outubro. O preço médio de venda para uma casa nova no mês passado caiu para 239.100 dólares, ante 240.100 dólares no mesmo período do ano passado.

SETOR MANUFATUREIRO EM ALTA

Fora do setor imobiliário, a economia dos EUA parece estar mais forte, já que a atividade se expandiu no Meio-Oeste do país e na cidade de Nova York em dezembro, de acordo com outros relatórios divulgados também nesta sexta.   Continuação...