ANÁLISE-Receita da Petrobras pode subir até R$6bi com ajuste

segunda-feira, 28 de abril de 2008 17:56 BRT
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Não adiantou o presidente Lula negar. No mercado, a expectativa por um ajuste nos preços da gasolina e do diesel pela Petrobras ganhou força após as declarações do presidente na semana passada [ID:nN25366106] e a aposta agora gira em torno do percentual e do dia do anúncio.

Segundo cálculos do Banif, uma alta de 5 a 7 por cento da gasolina e do diesel poderiam significar um incremento de receita da ordem de 5 a 6 bilhões de reais no ano para a estatal, levando em conta que o banco de investimentos projeta o aumento apenas para o segundo semestre.

Certos de que o governo tentará preservar o máximo possível o impacto na inflaço, analistas não se iludem em um desejado repasse de toda a defasagem acumulada no ano, hoje estimada em mais de 20 por cento.

"Estamos esperando sim (o aumento), se vier reajuste a cotação das ações vai refletir isso, mas o mercado pode ficar desestimulado se for de apenas 5 por cento como está de falando", disse o analista do Banco do Brasil Investimentos Nelson Rodrigues de Matos.

Para a gasolina, as projeções de aumento apontam para algo entre 5 e 7 por cento, o mesmo estimado para o diesel, que no entanto poderia ficar de fora nesse momento devido ao seu peso na economia.

Tanto no Banif como no Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Município do Rio de Janeiro ainda existem dúvidas em relação ao ajuste do diesel.

Para o presidente dos representantes dos postos da cidade, Manuel Fonseca da Costa, o fato do diesel conter biodiesel pode fazer com que o governo conceda ajuste menor do que o da gasolina, estimado por ele em torno dos 5 a 7 por cento.

"Como ficaria o custo do transporte se o diesel subisse?", disse Costa à Reuters, ressaltando que após a negativa de Lula o governo não deu mais qualquer sinalização de alterar o preço dos combustíveis.   Continuação...