Em discurso, Bush tenta amenizar preocupações econômicas

terça-feira, 29 de janeiro de 2008 00:36 BRST
 

Por Matt Spetalnick

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, buscou acalmar os norte-americanos sobre os problemas na economia do país no início desta terça-feira (horário de Brasília), ao mesmo tempo em que desenhou o caminho que pretende seguir em seu último ano na Casa Branca.

Com a ameaça de uma recessão ofuscando a guerra do Iraque como principal preocupação da opinião pública, Bush reconheceu em seu último discurso sobre o Estado da União que o crescimento econômico está diminuindo, mas insistiu que os fundamentos de longo prazo da economia do país estão sólidos.

Ele também pediu ao Congresso a rápida aprovação de um pacote de estímulo econômico de 150 bilhões de dólares divulgado na semana passada.

"No longo prazo, os norte-americanos podem estar confiantes sobre nosso crescimento econômico. Mas no curto prazo, todos podemos ver que o crescimento está diminuindo", disse Bush no discurso ao Congresso transmitido para todo o mundo.

Bush também falou dos ganhos de segurança obtidos no Iraque, o qual ele atribuiu ao aumento no número de tropas determinado por ele em janeiro passado. O presidente também afirmou que mudanças no atual contingente militar dependerão das recomendações de seus comandantes.

Ele também renovou seus pedidos para que o Irã pare os trabalhos de enriquecimento de urânio e para que a República Islâmica "seja clara" sobre suas intenções nucleares. "Nossa mensagem aos líderes do Irã também é clara: suspendam de maneira verificável seu enriquecimento nuclear, para que as negociações possam começar", disse Bush.

Enfraquecido politicamente pela impopular guerra no Iraque e ofuscado pela disputa pela indicação dos candidatos que tentarão sucedê-lo, Bush não apresentou nenhuma idéia nova.

Seu sétimo discurso sobre o Estado da União foi, no entanto, foi uma chance de estabelecer o tom que predominará em seus últimos meses no poder e de tentar deixar um bom legado antes de sair da Casa Branca em janeiro de 2009.

Mas espremido entre as primárias democratas na Carolina do Sul, que aconteceram no sábado, e a disputa republicana na Flórida, marcada para a terça-feira, Bush terá dificuldade em se fazer ouvir em meio ao barulho causado pela campanha eleitoral. No topo da agenda proposta em seu discurso estava o pacote de estímulo econômico de 150 bilhões de dólares para evitar uma recessão em uma economia que sofre com os altos preços do petróleo e com uma desaceleração no mercado de moradias.

"Nas mesas de cozinhas ao redor de nosso país há uma preocupação com nosso futuro econômico", disse Bush ao fazer um apelo para que o Congresso complete o trabalho para aprovar o plano.

 
<p>O presidente dos EUA, George W. Bush, faz discurso em Washington. Bush buscou acalmar os norte-americanos sobre os problemas na economia do pa&iacute;s no in&iacute;cio desta ter&ccedil;a-feira (hor&aacute;rio de Bras&iacute;lia), ao mesmo tempo em que desenhou o caminho que pretende seguir em seu &uacute;ltimo ano na Casa Branca. Photo by Pool</p>