Dólar e temor sobre expansão do Japão pressionam bolsas da Ásia

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008 08:50 BRT
 

Por Tom Miles

HONG KONG (Reuters) - As bolsas asiáticas operaram em queda nesta quinta-feira, com algumas conseguindo recuperar algumas perdas iniciais depois de caírem com preocupações com a fraqueza do dólar, que poderia impulsionar a economia dos Estados Unidos em detrimento dos exportadores asiáticos. Os negócios também foram influenciados por medo crescente sobre o panorama econômico japonês.

O índice MSCI que reúne mercados da região Ásia-Pacífico exceto Japão tinha queda de 0,24 por cento, para 491 pontos às 7h56 (horário de Brasília).

O índice Nikkei da bolsa de TÓQUIO perdeu 0,75 por cento, encerrando a 13.925 pontos.

Na quarta-feira, o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, sinalizou que a economia dos Estados Unidos pode precisar de mais cortes de juros, destacando a seriedade da situação econômica norte-americana e desencadeando um movimento de venda de dólares pelo mundo.

Bernanke irá continuar sua fala ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara nesta quinta-feira.

"O euro está atraindo dinheiro porque as perspectivas de um corte de juro no curto prazo foram afastadas e os fundamentos econômicos são sólidos, enquanto isso o dólar está destinado a cair mais ainda pois o mercado acredita que os problemas de crédito nos Estados Unidos estão longe de serem resolvidos", disse Hideki Amikura, gerente de câmbio na Nomura Trust and Banking.

As ações japonesas foram impactadas por uma queda na produção industrial, duas vezes maior que a esperada, e por um alerta sobre crescimento feito pelo membro mais enérgico do banco central do Japão. O alerta aumentou as preocupações de que a segunda maior economia do mundo pode desacelerar ou mesmo se contrair no primeiro trimestre.

Na Austrália, o principal índice da bolsa de SYDNEY fechou em queda de 2 por cento.   Continuação...

 
<p>As bolsas de valores asi&aacute;ticas atingiram nesta quarta-feira n&iacute;vel mais alto em seis semanas, com um tom de otimismo de que lucros de empresas v&atilde;o superar o dif&iacute;cil cen&aacute;rio econ&ocirc;mico global. Photo by Stringer Shanghai</p>