Investimento estrangeiro bate recorde no ano

quarta-feira, 28 de novembro de 2007 13:37 BRST
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil voltou a registrar déficit em suas transações com o resto do mundo em outubro, após dois meses de superávit, mas o resultado veio melhor do que o esperado pelo Banco Central e pelos analistas do mercado.

Os investimentos estrangeiros direto e em ações, por outro lado, foram os maiores já registrados em um mês desde o início da série do Banco Central, em 1947. No caso das ações, o fluxo recorde foi impulsionado pela abertura de capital da Bovespa, segundo a autoridade monetária.

O déficit em transações correntes foi de 42 milhões de dólares no mês passado, ante resultado positivo de 1,536 bilhão de dólares em outubro do ano passado, informou o Banco Central nesta quarta-feira.

Analistas consultados pela Reuters esperavam um déficit de 100 milhões de dólares, de acordo com a mediana das projeções, e o próprio BC havia estimado para outubro um déficit de 500 milhões de dólares.

Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, as despesas com juros vieram abaixo do esperado no mês, tendo somado 331 milhões de dólares, frente a 840 milhões de dólares em outubro de 2006.

"A associação de juros menores, com saldo comercial menor e também uma aceleração das remessas relativas a lucros e dividendos é que levou a esse resultado de (déficit de) 42 milhões de dólares, que é basicamente equilíbrio", afirmou Lopes a jornalistas.

As remessas líquidas de lucros e dividendos, que têm pressionado as contas externas nos últimos meses como reflexo do real valorizado e do crescimento do estoque de investimento estrangeiro, somaram 2,201 bilhões de dólares em outubro.

Em igual período do ano passado, as remessas foram de 902 milhões de dólares. No acumulado em 2007, essas remessas já somam 15,984 bilhões de dólares.   Continuação...