Governo paraguaio reclama de declaração de Requião

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008 23:22 BRT
 

ASSUNÇÃO (Reuters) - O governo paraguaio rejeitou na quinta-feira as "impertinentes" declarações do governador do Paraná, Roberto Requião, dirigidas ao presidente do país e exigiu que o governo brasileiro se manifeste sobre este assunto.

De acordo com declarações publicadas na imprensa paraguaia, Requião recomendou ao presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos, que "não diga besteiras", após Duarte Frutos o acusar de financiar a campanha do candidato presidencial oposicionista Fernando Lugo.

"Recomendo a Nicanor que fique quieto, que não diga besteiras e entregue tranquilamente a Lugo o governo do Paraguai", disse o governador a jornalistas na quarta-feira.

Lugo é um popular ex-bispo católico que lidera uma aliança de centro-esquerda para as eleições de 20 de abril e aparece como favorito nas últimas pesquisas de intenção de voto.

A chancelaria paraguaia afirmou em comunicado que as expressões usadas por Requião "em nada contribuem para as boas relações existentes entre os povos e os governos do Paraguai e do Brasil".

"O ministro das Relações Exteriores transmitiu ao embaixador do Brasil no Paraguai o incômodo gerado pelas declarações do referido governador e exigiu um pronunciamento do governo do Brasil a respeito", afirma a nota.

Duarte Frutos, que pertence ao Partido Colorado, de centro-direita, apóia a candidatura da ex-ministra da Educação Blanca Ovelar, e concorrerá a uma vaga no Senado nas próximas eleições.

As declarações de Requião também foram criticadas por políticos governistas no Paraguai, que a consideraram uma ingerência em assuntos internos do país.

O deputado governista Mario Morel, por exemplo, disse que os comentários do governador paranaense constituem numa falta de respeito aos paraguaios.

"O que diria o Itamaraty se qualquer governador do Paraguai fizesse comentários parecidos contra Lula, por exemplo?", questionou o parlamentar.

(Reportagem de Daniela Desantis)