Dez empregados da Petrobras se recusam a embarcar em helicóptero

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008 14:25 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Dez funcionários da Petrobras se recusaram nesta sexta-feira a embarcar em um helicóptero da empresa BHS que os levaria para a plataforma P-8, no campo de Marimbás, na bacia de Campos, com medo de novos acidentes e preocupados com as condições de trabalho, informou a Federação Única dos Petroleiros.

"Existe um medo dos empregados e dos terceirizados. Nos últimos anos houve muitos acidentes e mortes com essa e outras empresas", disse o diretor das FUP, João Antonio de Moraes.

Os dados da FUP apontam que nos últimos dez anos 210 trabalhadores da Petrobras morreram em acidentes, sendo 39 empregados próprios e 171 de empresas contratadas pela estatal.

"Os terceirizados não param de crescer na empresa. Hoje são 170 mil contra 50 mil concursados. Isso ocorre principalmente na área de exploração e produção. Os terceirizados ganham menos, têm jornada de trabalho maior e não têm a mesma proteção. Isso prejudica a segurança", acrescentou Moraes.

A FUP quer realizar na semana que vem uma mobilização nacional para chamar a atenção da Petrobras e da sociedade para as condições de trabalho na estatal.

"O objetivo não é parar a produção. É atrasar a troca de turno para podermos conversar com o pessoal sobre o que está acontecendo", disse Moraes.

Ele entregou uma carta ao presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, cobrando medidas da companhia. A estatal confirma a recusa dos funcionários de embarcar em helicópteros da BHS, mas considera o fato isolado e afirmou que alguns vôos programados para a sexta-feira de manhã foram transferidos para sábado por uma questão de logística.

Na terça-feira, uma aeronave da empresa com 20 pessoas fez um pouso forçado no mar, na área da bacia de Campos, e 4 empregados morreram e um está desaparecido.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, Edição de Camila Moreira)