BOVESPA-Na cola de NY, índice recua 1,43% e cai do 65 mil pontos

terça-feira, 29 de abril de 2008 11:41 BRT
 

SÃO PAULO, 29 de abril (Reuters) - O reflexo de indicadores corporativos e macroeconômicos negativos da economia dos Estados Unidos sobre Wall Street ditava realização de lucros na Bolsa de Valores de São Paulo nesta terça-feira.

O Ibovespa .BVSP, que na seguNda-feira chegou a superar os 66 mil pontos, intensificava as perdas e caía dos 65 mil pontos. Às 11h40, o índice recuava 1,31 por cento, aos 64.817 pontos. O giro financeiro era de 1,5 bilhão de reais.

"O Ibovespa teve boa recuperação em abril e vinha se aproximando se sua máxima histórica, mesmo no meio da crise de crédito norte-americana. É natural que qualquer faísca de problema acendesse uma realização de lucros", disse Alexandre Marques Filho, analista da corretora Elite.

No caso, as faíscas foram notícias desanimadoras de empresas como a farmacêutica Merck e da empresa de cartões de crédito Visa, que somaram ao anúncio de que o índice de confiança do consumidor norte-americano caiu em março ao menor nível desde 2003 para abater as bolsas de Nova York.

O índice industrial Dow Jones .DJI tinha queda de 0,40 por cento, enquanto o S&P 500 recuava 0,59 por cento.

Na bolsa paulista, o movimento era puxado pelas ações preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), com declínio de 2,23 por cento, acompanhando também a queda dos preços internacionais do petróleo. O barril de petróleo CLc1 tinha baixa de 1,74 por cento, a 116,67 dólares.

O setor bancário e outras empresas ligadas a commodities, como as fabricantes de aço, também pressionavam o índice para baixo. As ações ordinárias da Companhia Siderúrgica Nacional CNA3.SA recuavam 2,21 por cento, a 70,70 reais. Os papéis preferenciais do Bradesco BBDC4.SA perdiam 1,99 por cento, cotadas a 35,89 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Cláudia Pires)