CONSOLIDA-Consumidor gasta menos nos EUA, mas confiança melhora

sexta-feira, 29 de agosto de 2008 13:35 BRT
 

Por Mark Felsenthal

WASHINGTON, 29 de agosto (Reuters) - A renda pessoal nos Estados Unidos caiu inesperadamente em julho e os gastos ajustados pela inflação diminuíram, à medida que os efeitos do estímulo governamental se dissiparam. Mas a confiança do consumidor melhorou em agosto, num sinal de que a economia norte-americana pode superar os problemas.

A renda pessoal recuou 0,7 por cento no mês passado, maior queda desde agosto de 2005, quando o furacão Katrina atingiu o país, informou nesta sexta-feira o Departamento de Comércio. Analistas esperavam estabilidade da renda.

Ao mesmo tempo, a forte alta dos preços levou a inflação ao maior nível em 17 anos, erodindo o já reduzido poder de compra da população. Os gastos do consumidor, que correspondem a cerca de dois terços da atividade econômica, subiram 0,2 por cento --variação em linha com o esperado e a menor desde fevereiro.

Os gastos ajustados pela inflação tiveram baixa de 0,4 por cento, maior queda desde junho de 2004 e segunda redução mensal consecutiva.

Mas a confiança do consumidor atingiu em agosto o maior patamar em cinco meses --mostrando, com a ajuda da desaceleração dos preços de energia, uma recuperação inesperada dos níveis muito baixos em que vinha aparecendo.

O índice Reuters/Universidade de Michigan subiu de 61,2 em julho para 63,0, maior nível desde março.

"Os consumidores certamente estão preocupados com o emprego e o mercado imobiliário, mas a queda dos preços da gasolina deu algum alívio e estamos vendo esse alívio representado nos vários índices de confiança", disse Lynn Reaser, economista-chefe do Bank of America Capital Management, em Boston.

  Continuação...