CÂMBIO-Dólar tem leve queda em sessão de cautela antes de Fed

terça-feira, 29 de janeiro de 2008 16:22 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 29 de janeiro (Reuters) - O dólar fechou em queda nesta terça-feira pela terceira sessão seguida, acompanhando a expectativa dos mercados internacionais com a possibilidade de um novo corte dos juros nos Estados Unidos nesta semana.

A moeda norte-americana BRBY recuou 0,17 por cento, para 1,781 real. No mês, o dólar exibe alta de 0,23 por cento.

"O mercado está de lado", disse Renato Schoemberger, operador da Alpes Corretora, sobre a cautela dos agentes à espera da decisão do Federal Reserve.

Em Nova York, as principais bolsas passaram a maior parte do dia em leve alta. O risco-país caía 5 pontos-básicos à tarde, e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subia mais de 1 por cento, operando com mais de 59 mil pontos.

A relativa calmaria dos mercados contrasta com a instabilidade da semana passada, quando as fortes perdas nas bolsas forçaram o Fed a cortar a taxa básica de juro em 0,75 ponto em caráter emergencial. No período, o mercado de câmbio operou com intensa volatilidade.

Agora, as atenções do mercado se voltam para a reunião ordinária do Fed, que termina às 17h15 (horário de Brasília) de quarta-feira. Mesmo apostando em um novo corte, os agentes se precavêm e operam com cautela até que se confirme a decisão.

"O dia (quarta-feira) deve ser meio morto. Não vai ter nenhum grande movimento para lá ou para cá, a não ser alguma operação pontual. Até lá fora vai trabalhar meio de lado", comentou o operador.

Mas, caso se confirme a redução de 0,5 ponto percentual que a maior parte do mercado prevê, Schoemberger aposta em desvalorização da moeda norte-americana. Segundo analistas, a queda dos juros nos Estados Unidos aumenta o espaço para operações de arbitragem, o que reforça o fluxo de capital para investimentos em curto prazo no país.

Na última hora de negócios, o Banco Central realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista. Na operação, a autoridade monetária definiu taxa de corte a 1,7775 real e aceitou, segundo operadores, ao menos uma proposta.

(Edição de Cláudia Pires)