Adversários de Lacerda se aliam em debate para forçar 2o turno

segunda-feira, 29 de setembro de 2008 12:52 BRT
 

BELO HORIZONTE, 29 de setembro (Reuters) - Desqualificar a gestão do atual prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), e, conseqüentemente, as propostas do candidato apoiado por ele, Márcio Lacerda (PSB), é a estratégia de parte de seus adversários para tentar levar a eleição para o segundo turno.

Foi o que ocorreu durante o debate entre os candidatos realizado pela TV Record na noite de domingo. Uma das táticas adotadas pelos candidatos Jô Moraes (PCdoB), Leonardo Quintão (PMDB), Sérgio Miranda (PDT) e Vanessa Portugal (PSTU) foi tentar isolar Lacerda, com perguntas dirigidas aos demais participantes. Isso abriu espaço para ataques diretos e indiretos a Lacerda e, principalmente, à gestão de Pimentel.

Também permitiu a seus adversários apresentarem propostas alternativas às diretrizes da gestão petista da prefeitura, criando uma aparente camaradagem entre eles. Gustavo Valadares (DEM) foi mais comedido nas críticas, apesar de seu partido fazer oposição a Pimentel na capital.

Como ocorreu no debate realizado pela TV Bandeirantes na quinta-feira, a superexposição do governador Aécio Neves (PSDB) durante a campanha eleitoral voltou à tona. Ao lado do prefeito, Aécio é o principal padrinho político de Lacerda na cidade e sua participação no processo foi considerada "intimidação" por Jô Moraes.

Lacerda, por sua vez, evitou atritos diretos com os adversários e preferiu usar seu tempo para reafirmar a aliança em torno de sua candidatura e a idéia de continuidade à atual administração. Ele também aproveitou para apresentar propostas de seu plano de governo, além de questionar os adversários sobre a forma de implantação dos projetos alternativos.

(Reportagem de Marcelo Portela, Edição de Mair Pena Neto)