Bernardo: déficit em conta corrente está ligado à crise externa

terça-feira, 29 de julho de 2008 15:47 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 29 de julho (Reuters) - O aumento do déficit em conta corrente do Brasil, que encerrou o primeiro semestre no nível recorde de 17,4 bilhões de dólares, está associado à crise internacional e pode ser revertido, avaliou nesta terça-feira o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo.

Ele citou que muitas filiais de multinacionais sediadas no Brasil estão enviando elevadas remessas de lucros para as matrizes que passam por dificulades financeiras.

"O prejuízo do subprime, se não está todo declarado, está perto de acabar e pode mudar esse quadro (da conta corrente)", afirmou a jornalistas em evento do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças.

Para o ministro, o déficit não representa uma tendência, mas as contas externas merecem atenção. "De fato, as contas correntes são motivo de atenção por parte do governo, mas não estou convencido de que é uma tendência irreversível."

Bernardo lembrou que o governo anunciou um pacote de medidas para incentivar as exportações e que, após o fim da crise externa, deve haver uma entrada mais forte de dólares no país em razão da conquista do grau de investimento.

O ministro informou que o governo já encaminhou à Casa Civil as duas medidas provisórias que tratam do aumento de funcionários públicos. Bernardo destacou que o impacto do reajuste, somado ao aumento concedido a militares e civis anteriormente, será de 11,5 bilhões de reais.

"É muita coisa em qualquer lugar do mundo, mas já está previsto no Orçamento", disse.

(Por Rodrigo Viga Gaier; Edição de Daniela Machado e Renato Andrade)