PF pede reforço para eleição no Rio;TRE define força-tarefa 4a

terça-feira, 29 de julho de 2008 19:09 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Polícia Federal solicitou reforço no efetivo para investigar e combater a ingerência do tráfico de drogas e de milícias no processo eleitoral do Rio de Janeiro. A Justiça eleitoral ainda analisa a possibilidade da ajuda de tropas federais para garantir a isonomia entre os candidatos que participam das eleições na cidade.

"Não descartamos a vinda das tropas, mas não acho necessário. Vamos ouvir o que o TSE tem a nos oferecer", disse Roberto Wider, presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro.

Na quarta-feira, Wider se encontra, em Brasília, com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Ayres Britto, com o objetivo de definir a criação de uma força-tarefa integrada pela PF e pela Força Nacional de Segurança Pública para atuar na campanha eleitoral do Rio. O ministro da Justiça, Tarso Genro, também vai participar.

"Não existe um estado de exceção no Rio de Janeiro, mas há irregularidades. Não se trata de encher o Rio de um exército de policiais. Meu 'feeling' é que vai ser a eleição mais bonita dos últimos tempos no Rio", acrescentou Wider.

Nesta terça-feira, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, se reuniu com o superintendente da PF do Rio, Valdinho Jacinto Caetano, além do presidente do TRE. Decidiram criar um grupo de trabalho para investigar e atuar contra os traficantes e as milícias que atuam nas favelas cariocas e impedem que candidatos façam campanha eleitoral nessas comunidades.

Traficantes e milícias apóiam candidatos para tentar ter representação política e procuram obstruir a presença de outros candidatos em suas áreas de atuação.

Jacinto Caetano informou que o reforço de agentes chegará nos próximos dias à cidade para atuar nas investigações dessa prática.

"Recebemos várias denúncias e já há diversos candidatos a vereador e a prefeito sendo investigados pela PF", disse o superintendente, sem citar nomes e qual a quantidade do efetivo solicitado.

Na último sábado, jornalistas foram ameaçados por homens armados na Vila Cruzeiro, zona norte do Rio, enquanto acompanhavam o candidato Marcelo Crivella (PRB), líder nas pesquisas. O TRE tem recebido denúncias de candidatos que estão sendo impedidos de fazer campanha em favelas por determinação de traficantes e milicianos.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)