CENÁRIOS-Teles devem ficar seletivas em investimentos em 2009

quarta-feira, 29 de outubro de 2008 15:21 BRST
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO, 29 de outubro (Reuters) - As operadoras de telefonia celular admitem que a possibilidade de escassez de recursos ou de linhas de financiamento as obrigue a ser mais seletivas e criativas nos investimentos que deverão fazer em 2009.

Os planos das companhias não prevêem redução no total investido, já que todas se comprometeram com expansões e cumprimento de obrigações junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), sem falar nos planos de aquisições e incorporações.

Mas a forma de investir terá de se adequar ao fato de que talvez o consumidor não consiga financiamentos com tanta facilidade nem existam linhas de crédito para os planos das operadoras, reconhecem.

Presentes ao Futurecom 2008 nesta quarta-feira, presidentes de três das quatro maiores operadoras de celular do país citaram o momento de incerteza econômica, ainda que reafirmem a disposição de investir.

João Cox, presidente da Claro, citou que as operadoras devem manter o ritmo de investimentos dos últimos anos, mas "o desafio será viabilizar recursos para os pesados investimentos".

Segundo ele, as operadoras têm aplicado uma média de 19 bilhões de reais ao ano no setor e devem repetir o número em 2009.

Ele lembrou que as operadoras que adquiriram licenças de terceira geração assumiram com a Anatel compromisso de levar infra-estrutura em cidades onde hoje o celular não existe. Em 2009, algo como 1 mil novos municípios devem receber cobertura.

Além disso, ele afirmou que dados de empresas de pesquisa mostram que 30 milhões de novos clientes de celular devem entrar na base ao longo deste ano e que as redes terão de crescer para acompanhar a entrada desses novos assinantes. "Tudo leva a crer que vamos continuar a investir 19 bilhões em 2009", concluiu. Na sua avaliação, "o mercado vai valorizar a gestão de custos e a solidez financeira".   Continuação...