Bush vai destinar US$2 bi a fundo climático global

terça-feira, 29 de janeiro de 2008 01:31 BRST
 

Por Tom Doggett

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos vão destinar nos próximos três anos 2 bilhões de dólares para um novo fundo internacional destinado a promover tecnologias energéticas não-poluentes e a combater a mudança climática, disse o presidente George W. Bush na madrugada de terça-feira (horário de Brasília).

"Junto com as contribuições de outros países, este fundo vai aumentar e acelerar a utilização de todas as formas de tecnologias mais limpas e eficientes nas nações em desenvolvimento, como Índia e China, e ajudará a alavancar um substancial capital do setor privado ao tornar os projetos de energia limpas mais atraentes do ponto de vista financeiro", disse Bush em seu discurso anual do Estado da União, no Congresso.

Bush buscou reafirmar o compromisso dos Estados Unidos em trabalhar com as grandes economias e por intermédio da ONU para completar um acordo internacional que reduza, paralise e afinal reverta o crescimento das emissões de gases do efeito estufa.

"Este acordo será efetivo apenas se incluir compromissos de todas as grandes economias, sem dar uma carona grátis a nenhuma delas", disse o presidente norte-americano. "Os Estados Unidos estão comprometidos em fortalecer nossa segurança energética e em confrontar a mudança climática global."

Delegados dos principais países emissores de gases do efeito estufa se reunirão neste ano no Havaí para acelerar as negociações na ONU por um acordo sobre o clima até 2009 que substitua o Protocolo de Kyoto, que vencerá em 2012.

O governo Bush rejeitou o Protocolo de Kyoto, sob a alegação de que ele exime de maneira injusta os países em desenvolvimento da obrigação de reduzir suas emissões e que isso poderia prejudicar a economia norte-americana. Bush prefere metas não-obrigatórias de corte de emissões.

Em resposta ao discurso de Bush, grupos ambientalistas afirmaram que a abordagem voluntária não funcionará.

"Na luta contra o aquecimento global, a ciência é clara: o caminho para evitar uma catastrófica mudança climática começa com limites obrigatórios à poluição e ao aquecimento global...uma abordagem voluntária acrescenta muita retórica e pouca mudança de verdade", disse a National Wildlife Federation.

Na questão energética, Bush voltou a pedir que os Estados Unidos reduzam sua dependência do petróleo e desenvolvam fontes alternativas de energia.