Perdas do japonês Mizuho com hipotecas podem chegar a US$2,8 bi

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 12:36 BRST
 

Por David Dolan

TÓQUIO (Reuters) - As perdas do grupo financeiro japonês Mizuho Financial com as hipotecas de alto risco dos Estados Unidos podem ter quase dobrado para 2,8 bilhões de dólares, potencialmente forçando o banco a cortar mais as perspectivas de lucro e colocar mais dinheiro na sua corretora em crise, de acordo com reportagens de jornais nesta quarta-feira.

Bancos japoneses têm até agora evitado grandes perdas relacionadas aos problemas no setor imobiliário norte-americano que atingiram instituições financeiras no resto do mundo.

Ainda assim, concessores de crédito de Tóquio não saíram ilesos. Apostas em hipotecas norte-americanas forçaram o banco Shinsei, concorrente menor do Mizuho, a cortar as suas perspetivas de lucro pela segunda vez.

O Mizuho pode ter uma perda de até 300 bilhões de ienes (2,8 bilhões de dólares) relacionada aos investimentos em hipotecas de alto risco, informou o jornal japonês Nikkei, bem acima dos 170 bilhões de ienes que foram estimados pelo banco para o ano fiscal que termina em março.

O banco pode ainda ter que injetar 200 bilhões de ienes (1,9 bilhão de dólares) ou mais na corretora Mizuho Securities, onde as perdas relacionadas às hipotecas chegam a um total de 250 bilhões de ienes, segundo o Nikkei.

Isto levaria a ajuda do Mizuho para sua corretora para um total de cerca de 3,3 bilhões de dólares. A unidade entrou para o vermelho e teve que adiar uma fusão planejada com a corretora Shinko Securities por quatro meses, até maio.

A baixa contábil pode forçar o Mizuho a cortar sua perspetiva de lucro anual, segundo reportagem do jornal Yomiuri.

Em novembro, o Mizuho reduziu sua estimativa de lucro para o exercício anual que termina em março em 13 por cento, para 650 bilhões de ienes, citando a perdas com produtos securitizados de sua corretora.

O banco divulgará seu resultado do terceiro trimestre fiscal na quinta-feira.

Masako Shiono, porta-voz da Mizuho, não quis comentar se o banco cortará ainda mais sua perspectiva de resultado para o ano ou se injetará mais capital na corretora Mizuho Securities.