BOVESPA-Índice cai à espera de decisão sobre juros nos EUA

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 12:04 BRST
 

SÃO PAULO, 30 de janeiro (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo acompanha o dia tenso e de cautela no mercado internacional à espera da decisão do Federal Reserve e opera em queda no início do pregão desta quarta-feira.

Às 12h03, o Ibovespa .BVSP registrava queda de 0,61 por cento aos 59.167 pontos. O volume financeiro negociado era de 537 milhões de reais.

"Os primeiros sinais do exterior apontam para um dia mais fraco e de muita cautela na expectativa do Fed", afirmou um operador que não quis ser identificado.

Nesta manhã, o governo divulgou um crescimento do Produto Interno Bruto dos EUA no quarto trimestre abaixo do que era esperado. O PIB avançou 0,6 por cento no quarto trimestre e 2,2 por cento no ano todo --menor taxa anual desde o crescimento de 1,6 por cento em 2002. Analistas ouvidos pela Reuters esperavam que o PIB crescesse 1,2 por cento no quarto trimestre.

Segundo o operador, o dado ruim sobre o crescimento da maior economia do mundo, no entanto, acaba funcionando como um "bom sinal" nesta quarta-feira, pois indica que o Fed realmente terá que fazer novo corte agresssivo do juro.

"O mercado está olhando para a frente e a perspectiva é que o corte de juros seja mesmo de 0,50 ponto. Isso dará novo fôlego ao mercado. Mas até a divulgação do resultado, no final do dia, o mercado manterá a cautela", afirmou um operador.

Para completar o cenário desta quarta-feira, o ex-chairman do Federal Reserve Alan Greenspan, disse a um jornal alemão que a chance dos Estados Unidos entrarem em recessão é de pelo menos 50 por cento.

A decisão do Fed será divulgada às 17h15 (horário de Brasília). Na semana passada, em um decisão extraordinária, o Fed cortou a taxa básica em 0,75 ponto percentual para 3,50 por cento.

Entre as ações de maior peso no Ibovespa, as preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) registram queda de 0,8 por cento, a 80,15 reais. A Vale (VALE5.SA: Cotações) apresenta leve alta de 0,11 por cento, a 44,30 reais.

(Reportagem de Cláudia Pires, edição de Alexandre Caverni)