EUA têm em 2007 menor crescimento em 5 anos

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 12:08 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - O crescimento dos Estados Unidos desacelerou no quarto trimestre e terminou 2007 com a menor expansão anual em cinco anos, segundo um relatório do governo divulgado nesta quarta-feira que mostra o preço que a economia está pagando pelo enfraquecimento do setor imobiliário.

O Produto Interno Bruto (PIB), que mede o total de bens e serviços produzidos nos Estado Unidos, avançou 0,6 por cento no quarto trimestre e 2,2 por cento no ano todo --menor taxa anual desde o crescimento de 1,6 por cento em 2002.

Analistas ouvidos pela Reuters esperavam que o PIB crescesse 1,2 por cento no quarto trimestre. O desempenho fraco do período contrastou com o forte terceiro trimestre, quando o PIB se expandiu 4,9 por cento, e deve aumentar o temor de que a economia entre em recessão este ano.

Os gastos com a construção de novas casas desabou 23,9 por cento no quarto trimestre, maior queda em 26 anos, após já ter despencado 20,5 por cento no trimestre anterior. Ao longo do ano, os gastos com residências caíram 16,9 por cento, pior desempenho anual desde 1982.

Os preços deram sinais de aquecimento, com a medida de inflação preferida pelo Fed --gastos pessoais de consumo excluindo alimentos e energia-- tendo alta de 2,7 por cento em taxa anualizada no quarto trimestre. O resultado ficou bem acima dos 2 por cento registrados no terceiro trimestre e da expectativa de analistas, e foi a maior alta trimestral em 1 ano e meio.

O Fed já cortou a taxa básica de juros em 1,75 ponto percentual desde setembro, e deve anunciar nesta quarta-feira mais uma redução. Ao mesmo tempo, o governo Bush negocia com o Congresso um pacote de estímulo fiscal para tentar impulsionar o crescimento.

Os gastos dos consumidores, que alimentam mais de dois terços da expansão econômica nos Estados Unidos, se mantiveram relativamente bem no quarto trimestre, com crescimento anual de 2 por cento após avanço de 2,8 por cento no terceiro trimestre.

Mas o aumento dos gastos dos consumidores em todo o ano de 2007 foi o menor desde 2003, mais uma indicação de que a queda dos preços das moradias e dos ativos no mercado estão pressionando a confiança e o orçamento das famílias.