Bovespa se recupera após Fed e fecha acima dos 60 mil pts

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 19:00 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A decisão do Federal Reserve de cortar a taxa básica de juros dos EUA em 0,50 ponto percentual nesta quarta-feira ficou em linha com as expectativas do mercado, impulsionando Wall Street, temporariamente, e levando a Bolsa de Valores de São Paulo a um fechamento acima dos 60 mil pontos.

O Ibovespa, que operou em queda ao longo do dia, encerrou em alta de 1,28 por cento aos 60.289 pontos, maior fechamento desde 14 de janeiro. O volume financeiro negociado foi de 5,15 bilhões de reais.

Apesar da alta, o índice Ibovespa ainda acumula desvalorização de 5,6 por cento em janeiro graças aos temores sobre a desaceleração da economia norte-americana.

Nesta quarta, o Fed reduziu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual como parte de um esforço para conter essa desaceleração causada pela crise nos setores imobiliário e de crédito.

"A Bovespa reagiu bem pois o resultado do Fed foi bastante satisfatório. Um corte de 0,25 ponto não seria bem visto e um de 0,75 apontaria para uma preocupação com inflação", afirmou o economista Daniel Gorayeb, analista de investimentos da Spinelli Corretora.

Mais cedo, o governo dos EUA divulgou que o Produto Interno Bruto cresceu no quarto trimestre abaixo do esperado. O PIB avançou 0,6 por cento no período e 2,2 por cento no ano todo --menor taxa anual desde o crescimento de 1,6 por cento em 2002. Analistas ouvidos pela Reuters esperavam que o PIB crescesse 1,2 por cento no trimestre.

O dado ruim, no entanto, foi entendido pelo mercado como um sinal de que o corte de juros realmente seria dentro do patamar esperado. Diante disso, o mercado atuou com cautela ao longo do dia, sem grandes oscilações, até o anúncio da decisão do banco central norte-americano.

A ação do Fed leva a taxa básica de juros para 3 por cento, menor patamar desde junho de 2005. Na semana passada, em um decisão extraordinária, o Fed cortou a taxa básica em 0,75 ponto percentual para 3,50 por cento.

A redução de 1,25 ponto percentual acumulada em 8 dias está entre os cortes mais abruptos da história moderna do banco central norte-americano.   Continuação...