Brasil quer adesão da Venezuela ao Mercosul concluída esse ano

terça-feira, 30 de setembro de 2008 09:02 BRT
 

Por Fernando Exman

MANAUS, 30 de setembro (Reuters) - O governo brasileiro pretende apressar a votação da proposta de adesão da Venezuela ao Mercosul depois das eleições municipais. O protocolo foi assinada pelos países que integram o bloco em 2006, mas ainda não entrou em vigor.

Em dezembro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva promoverá uma reunião para marcar o fim do mandato temporário do Brasil na presidência do Mercosul e gostaria de anunciar oficialmente a conclusão do processo.

A proposta da adesão venezuelana ao bloco, que tramita na Câmara desde o ano passado, está pronta para ser incluída na pauta do plenário da Casa. A medida depende, no entanto, de um acordo entre os líderes partidários sobre o tema, o que não ocorre há mais de um ano.

"Sem dúvida, o ingresso da Venezuela no Mercosul está no grupo de temas que o governo considera muito importantes", declarou à Reuters o líder do governo na Câmara, deputado Henrique Fontana (PT-RS). "Espero que a gente consiga acelerar o processo de votação na Câmara e no Senado", acrescentou.

Com o argumento de que o presidente venezuelano Hugo Chávez não respeita a democracia, a oposição dificulta a votação do projeto. O Mercosul possui uma regra segundo a qual apenas países democráticos podem integrar o bloco.

Já os governistas alegam que, do ponto de vista pragmático, o mercado venezuelano é estratégico para o Brasil. "(A oposição) tem uma posição de ideologizar a política externa, o que não é recomendável", disse Fontana.

TEMPERAMENTO DE CHÁVEZ   Continuação...