CÂMBIO-Maior otimismo global e fluxo alimentam queda do dólar

sexta-feira, 30 de novembro de 2007 10:59 BRST
 

SÃO PAULO, 30 de novembro (Reuters) - A maior confiança dos mercados globais em um corte do juro nos Estados Unidos abria espaço nesta sexta-feira para a queda do dólar, influenciado pela contínua entrada de recursos no país.

Às 10h58, a moeda norte-americana tinha baixa de 1,17 por cento, para 1,773 real. Na véspera, o dólar fechou estável após passar a maior parte do dia em queda.

O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse na noite de quinta-feira que a perspectiva de crescimento dos Estados Unidos foi afetada pelas recentes tensões financeiras. Para o mercado, o discurso significa que o BC norte-americano continua disposto a reduzir o juro.

"O Bernanke deu uma fala muito positiva... Se tiver que baixar o juro, parece que vai baixar. Então o mercado está animado", disse Francisco Carvalho, gerente de câmbio da Corretora Liquidez.

De olho nos comentários, o risco-país caía 8 pontos, os índices futuros das bolsas em Nova York subiam e as moedas de outros emergentes ganhavam terreno em relação ao dólar.

A queda do dólar era favorecida também pelo fluxo cambial positivo, que era especialmente reforçado pela oferta pública inicial de ações (IPO) da Bolsa de Mercadorias & Futuros.

"(O mercado de câmbio) deu uma acalmada, acredito muito, por conta do dinheiro que entrou para o IPO", disse Marcos Forgione, analista da Hencorp Commcor Corretora.

A estréia das ações ocorre nesta sexta-feira na bolsa de valores de São Paulo (Bovespa).

A baixa do dólar tinha o apoio ainda do mercado futuro de juros, que exibia baixa nos contratos de depósito interfinanceiro (DI). Na véspera, operadores atribuíram boa parte da recuperação do dólar à forte alta das taxas.

A sessão que encerra o mês ainda promete volatilidade adicional, já que abriga a disputa pela formação da última Ptax (taxa média do dólar) de novembro. A taxa é usada para liquidação dos contratos futuros de dólar.

(Reportagem de Silvio Cascione; Edição de Renato Andrade)