Sadr pede que militantes deixem as ruas no Iraque

domingo, 30 de março de 2008 16:41 BRT
 

Por Khaled Farhan

NAJAF, Iraque (Reuters) - O clérigo xiita Moqtada al-Sadr conclamou seus seguidores no domingo a parar de combater as tropas do governo, na tentativa de estancar a violência nas grandes e pequenas cidades do país, que tem ameaçado fugir de controle.

"Por causa da responsabilidade religiosa, e para fazer com que se pare de derramar sangue iraquiano, nós pedimos um fim das ações armadas em Basra e em todas as outras províncias", disse Sadr em um comunicado distribuído a jornalistas por auxiliares na cidade sagrada xiita de Najaf. "Qualquer um que carregar uma arma e alvejar insituições do governo não será um dos nossos."

O comunicado de Sadr é resultado de conversas "de bastidores" entre os "sadristas" e a Aliança Xiita, medidados pelo ex-primeiro-ministro Ibrahim Jaafari, o político xiita Ahmed Chalabi e o chefe do parlamento sunita Mahmoud Mashhadani.

Chalabi disse à Reuters que o comunicado de Sadr é "crucial para conter o derramamento de sangue em Basra", mas o governo também tem de parar de "almejar" os seguidores de Sadr.

O governo aprovou o comunicado de Sadr, mas disse que continuaria a tentar controlar Basra, cujo poder está dividido entre diversas gangues e milícias.

"O comunicado de Sadr é um passo na direção certa", disse Nuri al-Maliki, primeiro-ministro iraquiano.

O porta-voz do governo, Ali al-Dabbagh disse que a operação vai continuar até que "atinja seus objetivos". Ele afirmou que o foco das tropas iraquianas é perseguir criminosos em geral, não seguidores de Sadr.

Ainda não está claro qual efeito o pedido de Sadr vai ter, mas as lutas parecem ter se acalmado em Basra e na cidade de Nassiriya, disseram repórteres da Reuters.   Continuação...