Alívio dos alimentos garante IGP-M abaixo do esperado

quarta-feira, 30 de julho de 2008 09:10 BRT
 

Por Renato Andrade

SÃO PAULO (Reuters) - Os fortes reajustes de preços dos alimentos, que forçaram a disparada da inflação na primeira metade do ano, começam a dar sinais de enfraquecimento, garantindo uma desaceleração gradual dos índices de preços no início do segundo semestre.

A mais recente evidência deste movimento veio do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de julho, que subiu menos que o esperado, favorecido pela menor pressão provocada exatamente pelos alimentos.

O indicador fechou o mês com alta de 1,76 por cento, depois de ter avançado 1,98 por cento em junho, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

Analistas consultados pela Reuters já esperavam uma desaceleração, mas o resultado foi melhor que o imaginado. A mediana das estimativas feitas por 26 instituições consultadas apontava para uma alta de 1,83 por cento para o indicador em julho.

Todos os três componentes do IGP-M --um indicador importante de inflação por ser utilizado no reajuste de diversos contratos, como os de aluguel-- registraram altas menores em julho, quando comparadas aos movimentos de junho.

Os preços no atacado, por exemplo, subiram 2,20 por cento, depois de terem subido 2,27 por cento em junho.

Uma das principais contribuições para essa desaceleração veio dos alimentos in natura, que depois de terem saltado 7,69 por cento no mês passado, registaram uma queda nos preços em julho de 1,32 por cento.

Do lado dos consumidores, a inflação passou de 0,89 por cento para 0,65 por cento.   Continuação...