GM tem prejuízo de US$3,25 bi no trimestre com greve encargos

quarta-feira, 30 de abril de 2008 10:36 BRT
 

Por Kevin Krolicki e David Bailey

DETROIT (Reuters) - A General Motors divulgou nesta quarta-feira prejuízo no primeiro trimestre por conta de uma custosa greve em fornecedores, demanda em queda em relação a seus veículos mais lucrativos e encargos relacionados a ex-subsidiárias. Apesar disso, o resultado superou expectativas de Wall Street e as ações da empresa subiam no pregão eletrônico.

A companhia sofreu um encargo de 1,45 bilhão de dólares relacionado a seu investimento remanescente na companhia financeira GMAC e encargo de 731 milhões de dólares por exposição da montadora à fornecedora de autopeças e ex-subsidiária Delphi.

Com isso, a GM divulgou prejuízo líquido de 3,25 bilhões dólares, ou 5,74 dólares por ação, comparado com um ganho de 62 milhões de dólares, ou 0,11 dólar por ação, um ano antes.

A receita caiu para 42,7 billhões de dólares comparado a um faturamento anterior de 43,4 bilhões de dólares.

Excluindo os itens excepcionais, a montadora teve um prejuízo no primeiro trimestre de 350 milhões de dólares, ou 0,62 dólar por ação.

Em média, analistas esperavam que a GM divulgasse prejuízo de 1,67 dólar por ação, antes os itens extraordinários, segundo a Reuters Estimates.

O vice-presidente financeiro da montadora, Ray Young, disse a analistas que pode ter subestimado a força das vendas da GM em mercados emergentes e no progresso que o grupo tem conseguido em termos de redução de custos na América do Norte.

"Os números não parecem muito bons, mas quando você realmente os analisa... Eu sinto que o primeiro trimestre foi muito encorajador", disse Young a jornalistas.

As vendas globais da GM no primeiro trimestre caíram quase 1 por cento, para 2,25 milhões de veículos, ficando bem atrás da Toyota Motor, que obteve aumento de quase 3 por cento, para 2,41 milhões de unidades.

A GM e a Toyota ficaram praticamente empatadas em 2007 na primeira colocação entre as montadoras mundiais de veículos, com a GM ligeiramente à frente da companhia japonesa se as vendas de uma joint-venture que possui na China forem incluídas.