JURO-Sinais de enfraquecimento da inflação permitem queda de DIs

quarta-feira, 30 de julho de 2008 16:10 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 30 de julho (Reuters) - Os sinais de alívio da inflação permitiram que a maioria das projeções de juros fechasse em queda nesta quarta-feira.

A baixa, no entanto, foi limitada pela alta do petróleo e pela cautela do mercado antes da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2009 ficou estável a 13,70 por cento, e o DI janeiro de 2010 recuou de 14,90 por cento para 14,84 por cento.

O dia já começou com viés para baixo depois que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) mostrou desaceleração um pouco maior do que a esperada em julho. O índice subiu 1,76 por cento no mês, após ter avançado 1,98 por cento em junho.

"De um modo geral, a inflação pelo IGP-M continua muito alta, mostrando inflação mensal acima de 1,5 por cento pela terceira vez seguida... No entanto, acreditamos que o IGP vai mostrar uma desaceleração notável nas próximas semanas", disse Luis Cezario, analista do Goldman Sachs, em nota.

Carlos Cintra, gerente de renda fixa do Banco Prosper, no Rio de Janeiro, ressalvou que a queda dos juros futuros neste pregão não marcou uma tendência para o mercado.

"O petróleo veio um pouco para atrapalhar esse fechamento, e tem a ata do Copom amanhã", disse o gerente. "O pessoal acha que a ata vai vir com discurso mais duro."

Na reunião da semana passada, o Banco Central aumentou a velocidade do ciclo de aumento do juro, com alta de 0,75 ponto percentual da Selic. A taxa está agora em 13 por cento ao ano.

O Banco Central fez duas operações para controlar a liquidez do sistema financeiro. Na primeira, recolheu 14,086 bilhões de reais dos bancos, até 20 de agosto, a 12,95 por cento ao ano. Na segunda, tomou 52,486 bilhões de reais, por 1 dia, com remuneração de 12,93 por cento ao ano.

(Edição de Vanessa Stelzer)